Mesmo em Paris, onde a arte da cozinha impera, as vezes as coisas se embaralham. Além das fantasias modernistas misturadas com cocktails supersônicos, um novo senso de curiosidade nasceu para o re-re-re-renascimento de cozinha bistrô.

E, neste jogo em particular, muitas vezes você vai encontrar o mesmo vencedor: David Lanher. Um homem capaz de realmente buscar o inesperado com o seu chefe sueco, Svante Forstorp, antes no Vivant Cave, e de passar um momento histórico no Caffè Stern ou dando sempre uma adição de um golpe de glamour em alguma instituição instável.le-bon-saint-pourcain-paris

Na margem esquerda, o Le Bon Saint-Pourçain, sob a sombra da igreja St. Sulpice, trás a injeção de sangue novo. No lugar de fachada azul escuro num um terraço Naumann, e todo mundo concorda, a cozinha é deliciosa no antigo modelo de bistrô.

Mathieu Techer, um estudante de Senderens, profundamente concentrado atrás de seu bar americano, refina suas técnicas de cozinha e pensa em graus / minutos.Unknown-1
O resultado? Vitela perfeita, umedecida por um molho sutil, brocoletti e batatas, e costeletas assadas soberbas,  cordeiro, alcachofras, favas e ervilhas, solicitados como guarnição no menu que é limitado a dois ou três pratos do dia. Precedida por um vinagrete de alho francês e um ovo cozido com molho de amendoim.  E seguido por um agradável baba au rhum com creme de vanilla.images

O menu não é impresso e é modificado todos os dias no quadro negro, trazendo uma cozinha preparada e elaborada com produtos frescos e da estação.Unknown

Quanto ao Saint-Pourçain, que por tradição é servida uma taça a todos os cientes, pode muito bem ser trocado por um Petit-Chablis Pommier e uma Hanami Saumur-Champigny produzida por Bobinet.

Le Bon Saint Pourçain

10 bis rue Servandoni, 75006 Paris.