Sheila resolveu celebrar seu aniversário. Ela é uma pessoa muito especial, e neste anos todos de convivência, aprendi muito sobre a alegria de viver com ela! Existem momentos que devem ser celebrados com cuidado, carinho, detalhe e requinte. Quem mais poderia nos proporcionar isso? A nossa talentosa Dilú!

Dilú fez da mesa a sua arte suprema, ela nos encanta e surpreende a cada encontro. Os detalhes são primorosos.  Se Carlos Drummond de Andrade houvesse adentrado aquela sala, teria se lembrado imediatamente do seu poema ‘A mesa’:

“E não gostavas de festa. . .. Ó velho, que festa grande hoje te faria a gente.  E teus filhos que não bebem e o que gosta de beber,  em torno da mesa larga, largavam as tristes dietas, esqueciam seus fricotes, e tudo era farra honesta acabando em confidência. Ai, velho, ouvirias coisas de arrepiar teus noventa.”

Dilú possui toda a sua experiência na arte de bem receber, e começou a desfilar suas iguarias, enquanto conversávamos e esperávamos as outras.

Foi um deleite de guloseimas para o paladar. Sheila estava muito feliz e tranquila, sabendo que estava proporcionando às suas amigas queridas, momentos únicos.

No menu vinha descrito os nomes das amigas presentes, e na capa se lia: AMIGAS DO CORAÇÃO, AMIGAS DE UMA VIDA, AMIGAS DE SEMPRE, PARA SEMPRE…

Emocionante!

Dilú tem um blog que se chama Dilucious, www.dilucious.com.br, que vale a pena conhecer, e ela detalhará todo o evento, sob seu próprio olhar.

Aguardamos e deixamos aqui um aperitivo do que vivenciamos no aniversário de nossa amiga Sheila.

Ficamos sabendo das novidades enquanto sorvíamos um champagne geladinho.

E depois fomos convidadas à mesa.

Lá tivemos como entrada Ballotine de Salmão com Gema perfeita, Caviar e Velouté de Limão.

Em seguida tivemos um Bacalhau com Zabaglione de Châtaigne com Mascarpone, Confit de alho, Châtaigne, Manteiga Noizete com Baunilha.

Como prato principal, saboreamos um delicioso Magret com Broto de Rúcula, Tarte Tatin de Cebola Roxa, Mini Pêra.

Tivemos uma pré sobremesa inusitada Sopinha de frutas vermelhas e Sorvete Trufado de Balsâmico com Pignole, de um sabor inesquecível.

A sobremesa foi linda e carinhosa, uma Torta Limoncello no Limão Siciliano Caramel, com uma velinha em cada prato, dando um efeito festivo na mesa linda.

Detalhe para os arranjos de mesa e a toalha.

Citando novamente Drummond:

‘Oh que ceia mais celeste e que gozo mais do chão! Quem preparou? Que inconteste vocação de sacrifício pôs a mesa, teve os filhos?Quem se apagou? Quem pagou a pena deste trabalho? Quem foi a mão invisível que traçou este arabesco.’

Essa é Dilú, a maga do sabor. Mas, não ficou aí, tivemos para o café, quindins, madeleine, petir four de chocolate e cupuaçu, quadradinho de damasco, financier de café, com direito a lembrancinha, um pain d’epices Dilucious.

Sheila minha amiga, você teve um aniversário incrível, que ficará na nossa história. Recebeu o carinho das amigas e nos alegrou com a bela surpresa. Termino ainda com Drummond, que se mostra bem apropriado:

‘Como pode nossa festa ser de um só que não de dois? Os dois ora estais reunidos numa aliança bem maior que o simples elo da terra.’

Você e Dilú, Dilú e você que Mistura mais fina.

Deixo aqui em especial um texto que a nossa querida Maria Eugênia Couri escreveu sobre este encontro:

“Ode à amizade “

Como bem celebrar um aniversário?

Como numa elaborada receita de requintado livro de culinária,ingredientes diversos foram utilizados:

Uma aniversariante alto astral,agregadora,que adora celebrar a vida;

Uma chef de mãos de fadas,detentora de  uma criatividade ilimitada,que se supera a cada encontro;

Um cenário de sonho,caprichado,florido,preparado com esmero,detalhes       e carinho;

Uma anfitriã perfeita,que domina a arte do bem receber e sabe fazer  com que seus convidados se sintam em casa;

Uma linda tarde de verão;a cidade aos nossos pés;

Uma trilha sonora apropriada e inesquecível;

Convidadas unidas pela mesma teia de afeto,tecida,por razões diversas em torno daquela aniversariante.

Mulheres fortes, determinadas, que não se deixam abater pelos percalços da vida;

E um almoço…como explicá-lo?

Uma receita culinária é,geralmente,precisa.

Gramas, pitadas, colheres, etapas, minutos, graus, dicas e cuidados são devidamente especificados.

Naquela tarde tudo foi diferente…

Parodiando o poeta, posso dizer que nem viver e nem cozinhar são precisos.

Uma lembrança sugestiva:um coração de origami! Sabendo que um origami usa apenas um pequeno número de dobras diferentes, que, no entanto, podem ser combinadas de diversas maneiras, para formar desenhos complexos, podemos entendê-lo como uma alusão às nossas diversas personalidades, que se encaixam,se harmonizam e formam um todo.Dentro um poema:

“Amigas do coração

Amigas de uma vida

Amigas de sempre

Pra sempre…”