Fui conhecer o mais novo restaurante de Roberta Sudbrack no Rio ,Jardim Botânico. Inaugurado a menos de 6 meses a proposta é super diferente , são pratos pra compartilhar.

E não aceitam reservas, com apenas 12 mesas. Abre às 12:00 e vai sem parar até às 21:00 quando fecha o restaurante.Podendo desse modo, seus funcionários  “aproveitarem a vida  e não incomodar os vizinhos“ como diz Roberta.

Rua tranquila, casinha branca, sem letreiro apenas a numeração 35 na porta. Fiquei em dúvida se tinha chegado ao lugar certo.Após perguntar, subi a leve rampa e logo vi a cozinha aparente e na porta o puxador, um pássaro. Agora sem dúvida nenhuma, era Sud o Passáro Verde.

Ambiente despojado, simplicidade à vista, mesas de madeira, os guardanapos são panos de cozinha, listrados, felpudos (achei um pouco estranho). Um vaso lindo com rosas cor de rosa no canto e as pilhas de pratos na prateleira. Uma bela escultura de um  pássaro.

Percebi uma vitrine cheia de passarinhos coloridos e um enorme forno a lenha ao fundo, sob um teto transparente.

Éramos 3 pessoas ,e acreditem 3 da tarde a hora que chegamos pra almoçar. O relógio cuco até tocou anunciando a hora.

Assentamos perto do forno, de onde víamos a cozinha aberta, e o que me chamou atenção, uma prateleira cheia de santos, abençoando a entrada da cozinha.

Na mesa, a história da nova proposta e o porque do nome, Sud o pássaro verde:

Liberdade de voar,

Liberdade de ser livre,

Liberdade de ser feliz .

Esse é o lema da casa da Chef Roberta Sudbrack,uma guinada fantástica.Espero que com grande sucesso. Ela merece. Pedimos várias entradinhas pra compartilhar.

Começamos com o queijo Saint Marcellin, produção artesanal da família Sudbrack, com fatias de pães da casa. Adorei o sabor. A terrine de campagne da casa com brotos de alface e picles.

Depois várias e deliciosas gougère de queijo do agreste Pernambucano.

Acho que exageramos nos pedidos, queria provar de tudo, e algumas gougères trouxemos para casa.

Em seguida, torta cremosa de aspargus, e tomatinhos, assada no forno a lenha.

Deliciosa, super leve , o que me fez lembrar de uma que minha mãe fazia com queijo Minas.

Vou procurar essa receita e postar depois. Compartilhamos tudo, mas a pedida final, antes da sobremesa , ovo caipira frito no forno à lenha com bottarga brasileira.

Imagina , pedi a menor porção

E vieram 3 ovos.

Minha irmã não gosta de ovo, então eu só comi um .  Pecado da gula mesmo.

Ainda estava de olho no arroz caipira de frutos da terra, arroz molhadinho, com legumes assados no forno à lenha, coisa de casa de vó como está escrito no menu.

Doce é a vida. Estava escrito no menu!!

O famoso Bomboloni, com leite maltado e creme ingles de cumaru…

Hummmmm.

É de comer de joelhos , rezando mesmo. Ma-ra-vi-lho-so. Dos Deuses, repeteco  garantido.

Enquanto escrevo este post, sinto um arrependimento não ter pedido para delivery.

O latte cotto com morangos, como fazem as nonnas italianas também digno de aplausos.

E como podem ver no menu, tantas outras sobremesas .

Queria ter provado, todas.Como não foi possível, ficou com gostinho de quero mais.

Com certeza, vou repetir.

Parabéns a Chef ,”cozinheira de forno e fogão “.

Pena não ter encontrado com ela, para uma foto.

Sud o Pássaro Verde Café

Rua Visconde de Carandaí , 35

3ª a Sábado 

12.00 às 21.00