Em se tratando de restaurantes, Belo Horizonte não é mais a mesma, pois tem contado com a aberturas de vários restaurantes de diversos tipos. Para quem ama comer fora isso é muito bom. Meu marido e eu somos desse tipo, que tem como preferencia de diversão, além de receber em casa, sair com os amigos. Sempre esperamos um fundamental tempo de adequação do novo restaurante e ocorrido esse tempo, vamos experimentar. Acontecem desapontamentos, normal! Mas também, acontecem agradáveis surpresas.

Sexta fomos no THE L.A.B.: Love, Art and Beauty Gastronomia. Fiquei tão curiosa que nem esperei aquele tempo de ajustamento. É um conceito ainda diferente para Belo Horizonte. A proposta antecipa o cuidado prestado pelo chef Leandro Pimenta.

 Leandro Pimenta: “A acepção do nome THE L.A.B. remete tanto à abreviação do slogan, quanto à de laboratório. Lembrado que na gastronomia é preciso ter união entre o experimento e o produto final. E ainda, o que nos baliza é o amor, a arte e a beleza.”

O slogan é bem suntuoso para a cara do imóvel que abriga o restaurante. Mas, ao se ter a explicação dada pessoalmente pelo chef, isso deixa de ter importância e vc começa a prestar mais atenção ao que realmente interessa: a comida.

The L.A.B. é decorado com simplicidade e recebe  60  pessoas em cinco ambientes separados: a varanda onde reservamos, uma delicia; uma parte interna logo na entrada; um salão principal, uma sala mais intimista e, ao fundo, um jardim bem bucólico.

O chef  Leandro Pimenta já está na mídia. Começou aos 14 anos em Nova Iorque, onde trabalhou na padaria de uma tia.  Lá, estudou no The Culinary Institute of America (CIA) e trabalhou em renomados restaurantes como o Tea Lounge French Coffee e o Perse. Ao voltar para São Paulo, formou-se na Escola de Hotelaria, Gastronomia e Turismo de São Paulo. Fez parte da equipe de profissionais reconhecidos e atuou em diversos restaurantes, entre eles o Spot, o Vítreo, o Mestiço e o Maní. Voltou para Belo Horizonte em 2007, para o maravilhoso e extinto Aurora, depois The Art From Mars e, na sequencia, Risoteria Sorriso, onde ficou pelos últimos dois anos.

Com experiência em diferentes escolas Leandro aposta na cozinha autoral. Aprecia, valoriza e abusa  de ingredientes da culinária brasileira com influências de outras partes do mundo. A ideia é que o cardápio seja renovado a cada estação, para aproveitar o melhor da época.

 

O conceito “Beauty Gastronomia” está sendo praticado em pratos bem montados, de forma artística. Na minha opinião, ainda necessita ter um pouquinho mais de cuidado nesse quesito, já que esse detalhe é enfatizado no nome do restaurante.

Palavras do chef: “A beleza está em cada detalhe do que é servido, a estética é inspirada em conceitos de Niemeyer, Burle Max e Portinari. Os pratos são montados de forma linear, valorizando as curvas dos alimentos, pensando em Niemeyer; se apropriando das formas perfeitas dos ingredientes, mosaicos de cores são dispostos lembrando Portinari; e pétalas de flores são usadas como referência a Burle Max.”

Mixido

No cardápio, clássicos com técnicas de cocção modernas onde se destaca o tradicional “Mixido” que ganha ares sofisticados, mas continua segundo Leandro, com seu gosto original e irresistível. Leva barriga de porco, pururuca, farofa de pimenta, tutu de feijão, o ovo cozido perfeito – mesma textura de clara e gema, e a couve é feita com gelatina de algas Agar Agar, servida como quadradinhos de couve quentinhos.

Ainda:

Terrine de Foie Gras com jabuticaba e castanha do Pará…

Fish and chips do Cerrado…

 

Creme de Baroa com maracujá…

 

Carret de Cordeiro em crosta de Barù servido com falso couscus de quirela e legumes tostados em manteiga de garrafa…

Arroz de polvo com frutos do mar e coco queimado.

Risotto de Rabada com agrião e queijo canastra…

Não é para arder de curiosidade? Então… Ficou foi difícil escolher…

Para começar veio o couvert bem simples, mas de acordo, pois teríamos muito o que saborear pela frente: pães artesanais da Cumpanio acompanhado de manteiga Aviação, queijo bursin e azeite ao balsâmico. Esqueci da foto. Vamos ao que realmente interessa:

Carpaccio de polvo com crocante de bacon e pesto de cebolinha

Não tenho palavras… nada menos que SENSACIONAL!

Nhoque de Cará com Consomé de Rabada e especiarias

Também sem palavras. Estou agora escrevendo e salivando. Se fosse possível sonhar, comeria um balde dessa coisa deslumbrante.

Texturas de Beterraba com agrião, maçã verde, bursin e castanha de caju e azeite de carvão

Talvez muitas pessoas não entenderiam a escolha da Beterraba, mas é moda para os grandes chefs. Experimentei beterraba de tudo em quanto é jeito nessa ultima viagem. Essa estava muito boa.

   Peixe branco do dia em Court bullion de Tucupi servido com banana da terra e legumes tostados, emulsão de leite de coco e cúrcuma, brotos e flores.

Mas como nem tudo são flores… O conceito desse prato é perfeito, mas não estava ao meu ver e ao meu gosto, primoroso como os outros. Faltou um pouquinho de sal e o tucupi deveria ser usado puro. É um sabor maravilhoso, que deve ser legítimo, genuíno… Leandro raciocinou sobre isso, então imagino que quem for agora vai saborear essa iguaria da forma adequada.

 Fetuccine de Pupunha ao creme de queijo canastra trufado e tornedor de filé com manteiga de Garrafa

Nossa… salivando de novo!!!

 Tornedor de Rabada com batatas e agrião

Naquele meu sonho, junto com o balde de Nhoque de cará, poderia vir também um caminhão desse fenomenal prato. O gosto de defumado é algo que não dá para entender, mesmo para quem se “diz” cozinheira. Surpreendente é pouco! Sugiro que mesmo quem faz regime, vá ao THE L.A.B. apenas para ter a felicidade de experimentar esse prato. Vai valer cada caloria! Ao escrever esse texto não consigo parar de pensar noutra coisa, senão que voltar hoje mesmo ao restaurante que fica numa parte charmosa da rua Congonhas no Santo Antônio.

 

As sobremesas… hum… as sobremesas! Não estavam em sintonia com o resto. É preciso ajustes. Todos sabemos o quanto é difícil esse terreno. A tartelete estava saborosa, mas a cocção talvez tenha passado, pois ficou um pouco dura de partir. A Mil folhas de doce de leite deve ser completamente revista. O creme Brülée de Cardamomo estava bem feito, porém sem gosto de cardamomo. Para compensar o sorvete de cupuaçu estava delicioso! Olha a boca salivando de novo.

Nossa colunista Valéria Amaral também foi lá e conta abaixo as suas impressões.

Fui conhecer com minha amiga Cris, o novo restaurante THE L.A.B, indicação da Dilu, uma gourmet de primeirissima!!!

Logo na chegada fomos surpreendidas pelo lugar que fica em uma daquelas casinhas antigas na rua Congonhas, Santo Antonio.

O ambiente é agradável, aconchegante e o atendimento muito bom.

Fomos convidadas a conhecer todo o restaurante, o que eu achei muito simpático.

Em seguida escolhemos uma mesa  na varanda porque  a noite estava super convidativa.

Para nossa surpresa, Leandro, o chef e dono do restaurante, veio  se apresentar e fazer as sugestões  dos pratos.

Entao, aproveitamos o momento  para conhecer um pouco da a sua trajetória  e também a proposta do restaurante. 

Tudo estava delicioso, a apresentação encantadora e refinada. 

Vale a pena conferir!

Horários de Funcionamento:

– De terça a sábado: de 19 a 1h.

– Aos domingos: de 12 a 16h.

Endereço: Rua Congonhas, 527 – Santo Antônio. BH/MG.

Reservas: (31) 2511-9187

Formas de pagamento: Dinheiro, cartões de crédito e débito.