Confort food é a comida preparada tradicionalmente, que pode ter um apelo nostálgico ou sentimental, ou simplesmente proporcionar uma refeição fácil de comer, fácil de digerir e rica em calorias, nutrientes, ou ambos. Podem ser alimentos que têm um elemento nostálgico para um indivíduo ou para uma cultura específica.  Essa refeição pode ser saborosa e facilmente ingerida e ter consistência macia.

O termo foi usado pela primeira vez, de acordo com o Dicionário Webster, em 1977.

Um estudo dividido identificou quatro categorias (alimentos normais, alimentos nostálgicos, alimentos de conveniência, e alimentos que levam ao conforto físico), com ênfase especial na seleção deliberada de determinados alimentos para modificar o humor ou efeito, e o uso de determinados alimentos pode vir a ser uma questão alteração de humor.

Os homens, em se tratando de comida que levam ao prazer,tendem a preferir comidas quentes, saudáveis e alimentos como carnes, sopas e ensopados.

As mulheres  preferem os alimentos doces e sorvetes. As tendências também variam com a idade.

Essa tendência em alimentação é a comida lá de casa, da mãe, da avó e da tia, aquela que remete à infância e às coisas mais simples e deliciosas da vida…

O nome lembra aconchego, aquele cheirinho especial vindo da cozinha que invade os outros cômodos da casa e acabam ficando pra sempre na memória da gente. Esse tipo de comida, que mexe com as memórias e traz a sensação de bem-estar, de ser cuidado, está totalmente ligada à infância e ganha cada vez mais adeptos no mundo. É por isto que os restaurantes de confort food estão em alta: na onda contrária ao fast food e avessa às receitas superelaboradas, o que conduz a culinária confort é a simplicidade.

É aquele purê de madioquinha, o bolinho de arroz, o morango com creme de leite e açúcar. Tudo para ser degustado sem pressa, com pitadas de saudosismo e boas memórias. Tudo que traga bem-estar e, claro, conforto.

A onda surgiu em contrapartida à mecanização no preparo e a forma de consumir os alimentos. Os adeptos acreditam que não só aquilo que se come mas também a forma como se come, pode ter grande influência na sua saúde. Por exemplo: comer rápido demais pode não ser saudável e trazer desconfortos, assim como não prestar atenção na comida e no próprio ato de se alimentar.

E quem é que vai duvidar que aquele prato com sabor de infância, degustado com muito prazer e bons sentimentos, não vai fazer um bem danado à saúde?